Artigo |10/08/2016

O Choque Elétrico, mecanismo e efeitos

Continuaremos a abordar neste artigo, itens que fazem parte do treinamento no curso básico NR10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, falaremos hoje sobre o choque elétrico.

Podemos definir o choque elétrico como sendo o conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos, que se manifesta no organismo humano ou animal, quando este é percorrido por uma corrente elétrica.

A condição básica sofrer um choque de origem elétrica é estar submetido a uma diferença de potencial (ddp) suficiente para fazer circular uma corrente que provoque efeitos no organismo.

Como todo elemento condutor, o corpo humano também apresenta valores de resistência elétrica que variam em função da área de contato, da pressão de contato, e da umidade da pele.

A resistência elétrica depende também da trajetória da corrente elétrica pelo corpo humano, sendo que os efeitos do choque elétrico serão mais graves, se o caminho da corrente passar pelo coração.

O choque elétrico apresenta efeitos diretos e indiretos sobre o organismo.

Efeitos Diretos: contrações musculares; fibrilação ventricular; parada cardíaca; queimaduras; asfixia, anoxemia.

Efeitos Indiretos: quedas de níveis elevados; batidas; fraturas; traumatismos.

O choque elétrico pode causar a fibrilação ventricular, situação em que o musculo cardíaco não consegue bombear o sangue para fora do coração. A fibrilação ventricular leva a uma parada cardíaca caso não seja tratada imediatamente.

Choque mesmo com corrente elétrica menor do que a do limite de fibrilação ventricular do coração, pode produzir comprometimento na capacidade respiratória do indivíduo, pois causa fadiga e tensionamento do músculo diafragma levando em consequência à parada respiratória.

O choque pode produzir também a tetanização das fibras musculares do tecido do coração. Este estado de tensionamento das fibras deixa o coração imobilizado. É a parada cardíaca.

Quanto maior o tempo para atendimento da vítima de parada cardiorrespiratória menor é a chance de que ela sobreviva sem danos cerebrais. Dessa forma se a recuperação da vítima ocorre em até 2 minutos depois da parada, a sua chance de recuperação total é de 90%. Se esse tempo for aumentado para 5 minutos a chance de recuperação diminui para apenas 25%.

Natureza da Corrente

O corpo humano é mais sensível à corrente alternada de frequência industrial (50/60 Hz) do que à corrente contínua. O limiar de sensação da corrente contínua é da ordem de 5 mA, enquanto que na corrente alternada é de 1 mA. A corrente elétrica passa a ser perigosa para o homem a partir de 9 mA, em se tratando de corrente alternada, e 45 mA para corrente contínua.

Decio Wertzner – Fazer Segurança – agosto/2016.