Artigo |16/09/2016

Artigo: Medidas de Controle Contra o Risco Elétrico - Proteção Contra Contatos Diretos

Dando sequência neste artigo à revisão do treinamento no curso básico NR10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, falaremos sobre proteção contra contatos diretos.

Dizemos que o contato direto ocorre, quando a pessoa toca um condutor eletricamente carregado que está funcionando normalmente.

Tipos de Proteção Contra Contatos Diretos:

1. Isolação de Partes Vivas: A isolação é destinada a impedir todo o contato com as partes vivas da instalação elétrica. As partes vivas devem ser completamente recobertas por uma isolação que só possa ser removida através de sua destruição.

2. Distância ou Afastamento: Podem-se evitar acidentes não permitindo que os trabalhadores se aproximem de condutores elétricos desprotegidos e evitando que os equipamentos sejam instalados próximos aos mesmos.

3. Barreiras ou invólucros: são dispositivos que impedem que pessoas ou animais toquem acidentalmente nas partes energizadas.

4. Obstáculos: São utilizados em locais de serviço elétrico que só podem ser frequentados por profissionais qualificados ou legalmente habilitados.

5. Utilização da Extra Baixa Tensão: São chamadas de extra baixa tensão as tensões de valor nominal inferiores a 50 V CA ou de 120 V CC.

6. Proteção por separação elétrica.

Conforme recomenda a NR-10, essas medidas de proteção coletiva (e também as de proteção contra contatos indiretos, que será abordada em nosso próximo artigo) devem ser adotadas (individualmente ou associadas) quando houver impossibilidade de implementação da desenergização elétrica.

Decio Wertzner – Fazer Segurança – setembro/2016.