Artigo |16/10/2017

Exposição Ocupacional ao Frio – Segunda Parte

Riscos Físicos Exposição ao Frio: Fatores Agravantes

São fatores que agravam os efeitos da exposição ao frio:

Tempo de exposição: Quanto maior o tempo de exposição, maiores são as possibilidades de se produzir uma doença.

Intensidade: Quanto maior a intensidade, dos agentes agressivos presentes, tanto maior a possibilidade de danos à saúde.

Suscetibilidade individual: A resposta do organismo a um determinado agente, pode variar de indivíduo para indivíduo, portanto é um fator importante a ser considerado.

A ação do frio pode causar problemas circulatórios, resfriados, congelamento nos pés e mãos, pneumonias e queimaduras do frio.

Riscos a Saúde

A inalação de ar frio pode induzir ou agravar sintomas relacionados com doenças cardiorrespiratórios, tais como asma e angina.

Em ambientes frios, há um aumento na eliminação de fluídos corporais podendo ocorrer desidratação se não houver consumo adequado de líquidos.

Efeitos Biológicos da Exposição ao Frio

Geladura ou Queimadura do Frio: resultante da prolongada exposição ao frio úmido, seus sintomas são: pele avermelhada, inchada e quente. Afeta principalmente o dorso das mãos e dos pés.

Lesão Congelante (“Frostbite”): congelamento localizado e irreversível do tecido, envolvendo a formação de cristais de gelo e ruptura das células (áreas periféricas do corpo: dedos, nariz, orelhas e bochecha).

Pé-de-imersão (ou pé-de-trincheira): é uma lesão provocada pelo frio que aparece quando o pé permanece úmido, envolto em meias ou botas e frio durante vários dias. O pé torna-se pálido, úmido e frio, e a circulação diminui.

Hipotermia: redução da temperatura do núcleo do corpo abaixo de 35ºC, resultando na perda de destreza manual, e da coordenação muscular com dificuldade para caminhar aumentando o risco de quedas.

A hipotermia e outras lesões causadas pelo frio podem ser evitadas se forem adotadas práticas adequadas para o trabalho nessa situação.

A gravidade da exposição ocupacional ao frio deve levar em consideração a temperatura do ar e a velocidade do vento (TRE) e a atividade física (metabolismo).

Quanto maior for a velocidade do vento e menor a temperatura do local de trabalho, maior deverá ser o isolamento da roupa protetora, e menor o tempo no qual o trabalhador pode ficar exposto.

O aspecto mais importante da exposição a baixas temperaturas, que constitui em ameaça à vida é impedir que a temperatura interna do corpo cai abaixo dos 98,6º F (36º C).

No nosso próximo artigo que irá concluir o tema deste mês, falaremos sobre as principais medidas de proteção a serem adotadas para garantir a segura exposição ao frio.

Decio Wertzner – Fazer Segurança – outubro/2017.