Notícias | 24/02/2014


SRTE/MG detecta trabalho precário

Situação atingia cerca de 800 trabalhadores que atuavam na extração e beneficiamento de quartzito no sudoeste mineiro

Brasília, 21/02/2014 - O Grupo Fiscal da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Minas Gerais (SRTE/MG) , encontrou cerca de 800 trabalhadores laborando em condições precárias na extração e beneficiamento de quartzito, nos municípios de Alpinópolis, São José da Barra, Carmo do Rio Claro e Guapé, no sudoeste mineiro. A operação, que teve início no último dia 11 de fevereiro, alcançou 14 empresas de extração de quartzito, 10 de beneficiamento e empresas terceirizadas.

A equipe fiscal constatou o adoecimento de 47 trabalhadores diagnosticados com silicose. Dentre as irregularidades encontradas estão à falta de umidificação dos processos de corte, perfuração, polimento e lixamento do quartzito e das vias de acesso às minas; não fornecimento de água potável e ausência de banheiros nas frentes de lavra. Além disso, a fiscalização encontrou trabalhadores sem vínculo formal de registro; Plano de Lavra executado de forma irregular; não emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) pelos empregadores; e falta de controle médico dos operários.

Durante a ação, que contou com o apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT), do Departamento Nacional de Proteção Mineral, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e das Polícias Rodoviária e Federal, foram lavrados 322 autos de Infração e emitidas seis interdições por falta de umidificação dos processos produtivos

Fonte: Assessoria de Comunicação/MTE http://portal.mte.gov.br/imprensa/srte-mg-detecta-trabalho-precario-em-mineradoras.htm