Notícias | 22/04/2015


INSS gasta R$ 10 bilhões com trabalhadores acidentados

O INSS gasta mais de R$ 10 bilhões com pagamentos de benefícios e indenizações por acidentes e doenças do trabalho. Os números constam do anuário 2015 da Previdência Social.

Segundo o advogado santista Mauro Lúcio Alonso Carneiro, os vazamentos de produtos químicos e de gases tóxicos, como os recentes ocorridos em Cubatão, inclusive seguido de chuva ácida, são também considerados acidentes de trabalho e suas sequelas na saúde dos trabalhadores são consideradas como doenças profissionais.

Nos dois casos, ele diz que os trabalhadores afetados, além da tutela do INSS, têm direito às indenizações e reparação por danos morais, “os tribunais estão abarrotados de processos sobre acidentes e doenças profissionais que geram indenizações em valores consideráveis contra as empresas, incluindo os resultantes de vazamentos de gases tóxicos”, diz o especialista.

Menciona que existem muitos pareceres médicos e estudos sobre o assunto, que mostram o impacto dos danos no organismo dos trabalhadores. “Os índices de mortes no trabalho são grandes em todo o mundo, mas, muitas vezes, eles não refletem a realidade. Pois, são bem mais elevados, se considerarmos as mortes posteriores de trabalhadores vítimas de doenças profissionais e do trabalho, que vivem um verdadeiro calvário ao levar consigo, em seu organismo, sequelas definitivas pelo dano sofrido”.

Mauro Lúcio diz também que muitos trabalhadores ficam doentes devido à exposição aos gases das indústrias, mas só procuram a Justiça após a aposentadoria, pois temem serem demitidos. “E, na maioria das vezes, é tarde para ele rever o dinheiro da indenização em vida”.

Informa ainda, baseado em dados da a Organização Internacional do Trabalho (OIT), que 2,34 milhões de pessoas morrem a cada ano devido a acidentes e doenças do trabalho.

Fonte – Fonte: P.P News com Diário do Litoral